Desbancando a dieta do glúten

Na área da Nutrição, o assunto mais comentado no ano de 2014 foi a dieta sem glúten. Prateleiras de supermercados e lojas de produtos naturais estão repletas de alimentos orgulhosamente rotulados “sem glúten” ou “gluten free”, além de muitos restaurantes já oferecerem opções sem a proteína. Será que houve realmente tantos casos de intolerância ou doença celíaca na população? E a eficácia da dieta para perda de peso é verdadeira?

O que é o glúten?

O glúten é uma rede proteica complexa encontrada principalmente no trigo, centeio e cevada, formada por dois grupos principais de proteínas: glutenina e gliadina, responsáveis pelo aspecto pegajoso da farinha com água.

O glúten pode causar intolerância?

Como qualquer proteína mal digerida, seus restos no intestino podem provocar sensações de desconforto, desencadear uma intolerância e levar a um processo inflamatório, normalmente bem controlado pelo organismo saudável. Porém, existe um grupo de pessoas que é incapaz de lidar com essa intolerância, pois possui uma doença autoimune chamada Doença Celíaca.

Normalmente, celíacos desenvolvem sintomas graves da intolerância como diarreia com sangue e deformações nas vilosidades da mucosa intestinal que afetam a absorção de nutrientes e trazem as consequências: perda de peso, anemia, cansaço frequente, queda de cabelos, fraqueza nas unhas, entre outras.

Próximos aos celíacos estão aqueles que compartilham sintomas semelhantes, porém menos graves, como desconforto abdominal e produção de gases em excesso. São os que desenvolveram a sensibilidade ao glúten não-celíaca, que ocorre quando as investigações paraa doença celíaca e a alergia ao trigo deram negativas. Pode atingir de 6% a 10% da população e uma simples variação no cardápio entre fontes de glúten e outros grãos pode amenizar o problema.

Alergia ao trigo

Não podemos confundir ou desconsiderar os sintomas de alérgicos ao trigo. Diferente da intolerância que não tem reações imunológicas exacerbadas, a alergia é mediada pela imunoglobulina IgE, um anticorpo que entra em ação quando detecta alguma fração proteica, no caso, do trigo. A gliadina é uma das responsáveis por reagir com a IgE, reação que desencadeia sintomas como rinite, asma, urticária, e em alguns casos mais graves, anafilaxia.

Alérgicos ao trigo não necessariamente terão alergia a outros cereais que contêm glúten, sendo assim, não há necessidade em retirá-los. Tanto a sensibilidade ao glúten não-celíaca quanto a alergia ao trigo podem ser desencadeadas por um excesso de consumo do glúten ou do cereal.

Se eu retirar o glúten da dieta, posso perder peso?

Embora não seja um nutriente essencial para a nossa saúde, não há necessidade ou razão em retirar o glúten (ou trigo) da dieta sem que haja um dos motivos citados acima. O consumo da proteína não está relacionado ao ganho de peso, mas como ela é comum em alimentos feitos com trigo e que são fontes ricas em carboidratos simples de alto índice glicêmico (ou seja, calóricos), eliminá-la realmente pode levar à perda de peso – mas o glúten não tem relação alguma com esse efeito.

A conclusão que pesquisadores, especialistas e profissionais de saúde chegam é que não há necessidade de retirar o glúten da dieta sem uma causa específica, ou simplesmente pelo objetivo de perda de peso ou ganho de energia. Existem os grupos específicos que necessitam restringi-lo completamente ou reduzir sua ingestão.

Todos devem ser incentivados a ter uma alimentação variada entre cereais e grãos, e que incluam também verduras, legumes, frutas, gorduras saudáveis e proteínas de alto valor biológico. Mudanças alimentares aliadas à atividade física são, de fato, a estratégia mais adequada para perda de peso, alívio de sintomas gastrointestinais, melhora da digestão e da saúde em geral.

E você, atende muitos pacientes celíacos em sua clínica? Conte para a gente a sua experiência!

Anúncios

Um comentário sobre “Desbancando a dieta do glúten

  1. Olá, já li a respeito do trigo ser ‘contaminado’ com altos índices de minerais e pesticidas utilizados no plantio e que esse fator também poderia desencadear alguns sintomas de intolerância como distensão abdominal e lenta digestão, devido ao excesso desses minerais. A relação é correta?

    Curtir

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s