6 passos para elaborar uma anamnese nutricional eficiente

O nutricionista é o principal ponto de apoio para mudanças de estilos de vida e alimentares. Por isso, é importante saber se posicionar e escolher as melhores estratégias para conhecer melhor os seus pacientes e ajudá-los a atingir suas expectativas.

Imagine que a sua clínica recebeu um novo paciente que deseja perder peso. No entanto, essa pessoa pode apresentar uma série de restrições alimentares desconhecidas por você. Ao prescrever um cardápio sem o oferecimento de uma avaliação adequada, a probabilidade do risco de esse indivíduo sair prejudicado é alta. Por isso, realizar a anamnese nutricional é de suma importância.

Para ter todas as informações de forma completa e objetiva, confira alguns passos importantes para ajudar você a elaborar um modelo eficiente, otimizando o seu atendimento e possibilitando a entrega de intervenções seguras e eficientes. Acompanhe para saber mais!

O que é a anamnese nutricional?

A anamnese nutricional é uma ficha que contém todas as informações pertinentes de cada paciente. O conteúdo deve ser relevante para a identificação do perfil fisiológico e de suas particularidades que podem interferir diretamente no funcionamento metabólico do paciente.

O objetivo dessa ficha é que o nutricionista conheça seus pacientes a fundo, sem necessitar refazer questionamentos que já tenham sido feitos, não estendendo assim o tempo de consulta e alcançando o resultado de maneira mais rápida.

O que a anamnese nutricional deve englobar?

Para que você não deixe nenhuma informação importante passar em branco, confira este passo a passo que elaboramos sobre as questões que a ficha sobre o paciente deve apresentar!

1. Dia a dia

Antes de propor qualquer cardápio, é conveniente que o nutricionista questione sobre o dia a dia do paciente. Os horários das refeições devem ser adequados a compromissos e tarefas diárias, havendo assim maior probabilidade de sucesso com o cardápio proposto.

Pode-se fazer anotações sobre possíveis refeições fora de casa e substituições de mesmo perfil nutricional.

Há algumas informações que podem ser determinantes para a montagem do cardápio, por isso, tente compreender com que frequência são feitas as compras, quem é responsável por tal tarefa e como criar ajustes para manter a alimentação o mais saudável possível.

A anamnese nutricional deve conter também todos os medicamentos e suplementação de consumo contínuo.

2. Histórico familiar

As informações pessoais são fundamentais para identificar doenças ou a preexistência delas, mas o profissional deve perguntar e registrar também alguns dados referentes à família do paciente.

Conhecer sobre a hereditariedade pode contribuir para responder diversos questionamentos e ainda alertar sobre metabolismo e prevenção de diversas condições.

3. Patologias

Além de investir nas mudanças de estilo de vida para mudar as medidas, é imprescindível adotar hábitos saudáveis para melhor preservar o organismo e fortalecer o sistema imunológico, por isso, o nutricionista deve fazer perguntas básicas sobre a patologia de cada paciente.

Vale a pena ainda questionar se o paciente consome bebida alcoólica, fuma, ou sofre com algum tipo de intolerância alimentar.

As perguntas ainda podem se estender para saber se ocorrem dores de cabeça, enjoos, tonturas, fadigas, humor irregular, e muito mais, pois esses sintomas podem ser tratados ou reduzidos durante o acompanhamento.

Lembre-se de registrar dados referentes a compulsões, diabetes, alterações gastrointestinais, disfunções neuroendócrinas, e muito mais.

4. Sono

Sabemos que os cuidados devem ser voltados para as mudanças na alimentação, mas o descanso é indispensável para que o metabolismo se comporte de forma positiva para a mudança de medidas. Dessa forma, o nutricionista deve perguntar quantas horas de descanso noturno os pacientes têm, adequando a primeira e última refeição sem prejudicar a recuperação do estresse diário.

É importante verificar também a influência da alimentação na qualidade do sono do paciente, já que alguns tipos de alimentos podem ser prejudiciais ao sono.

5. Avaliação antropométrica

Os resultados dos cardápios propostos podem ser notados por meio das mudanças de medidas, e essas devem ser identificadas durante a avaliação antropométrica. Ela deve ser feita periodicamente, e os resultados também devem ser registrados na anamnese nutricional, criando-se um histórico de medidas, permitindo a identificação da evolução física.

É importante lembrar que, ao adotar o uso de softwares para nutricionistas, os resultados dessas avaliações antropométricas podem ser visualizados de forma amigável, em gráficos.

6. Avaliação do consumo energético

Calcular qual é o gasto energético total e o metabolismo basal do paciente por meio de informações já listadas acima, como a rotina diária, é fundamental para estabelecer um cardápio alinhado aos objetivos do indivíduo.

Afinal, o corpo humano de cada pessoa funciona de uma maneira diferente e uma reeducação adequada não diz respeito apenas ao seu estilo de vida. Considerar os aspectos funcionais do organismo, como o gasto calórico, é de suma importância para que o paciente alcance seus objetivos.

7. Atividades físicas

Além do organismo do paciente, as condutas relacionadas às atividades físicas também merecem muita atenção. Não basta apenas ser adepto ao exercício, afinal, dependendo da intensidade e do tipo de atividade realizada, existe uma diferença no gasto calórico.

O mesmo vale para o objetivo da reeducação alimentar do paciente. Nem todos procuram o nutricionista para perder peso. Por exemplo, existem casos para ganho de massa muscular que obrigatoriamente devem considerar a rotina do indivíduo na academia.

8. Exames

Saber se o paciente faz uso de medicamentos também é fundamental, já que alguns alimentos podem interferir na eficácia dos remédios, do cardápio ou até mesmo causar uma reação nociva ao organismo. Nessa mesma perspectiva, álcool e tabagismo devem ser igualmente considerados na anamnese nutricional.

A solicitação de exames laboratoriais também é sempre muito bem-vinda para a prescrição de um cardápio com o máximo de eficiência. Uma vez que as alterações hormonais, quadros inflamatórios e deficiência de nutrientes são condições que influenciam em ganho, perda de massa e peso. Essas questões devem ser consideradas por um bom profissional.

Dessa forma, o nutricionista pode cruzar todos os dados disponíveis e fazer uma avaliação completa a respeito da saúde do paciente, prescrevendo o cardápio mais adequado para cada realidade, considerando a individualidade do paciente.

Conheça a anamnese interativa

Podemos notar que a responsabilidade de um profissional de nutrição vai além de prescrever cardápios. A anamnese nutricional pode não só favorecer o controle de tempo de consultas, mas também proporcionar maior segurança para que o profissional se aproxime e conheça ainda mais os seus pacientes, mostrando que seu papel vai além disso, favorecendo para que a parceria resulte em mais confiança e resultados muito mais proveitosos.

Uma grande aliada dos profissionais de nutrição é a tecnologia que facilita o acesso entre o nutricionista e o paciente. A anamnese pode ser realizada de forma interativa por meio um software de nutrição oferecido pela Dietbox, permitindo que toda a anamnese seja feita com base em protocolos diversos de gastos energéticos e pela antropometria.

Se você quer saber mais sobre a anamnese interativa, basta entrar em contato conosco que teremos o prazer de mostrar esta funcionalidade do software, além de todos os benefícios que a ferramenta apresenta em relação à gestão de clínicas e cálculos precisos que agilizam o trabalho de um nutricionista.

Deixe uma resposta