Como devo prescrever vitaminas e minerais corretamente?

O bom funcionamento do organismo está diretamente ligado à ingestão de vitaminas e minerais. São essas substâncias que regulam o metabolismo, mantêm o sistema imunológico em níveis satisfatórios, entre outras atividades essenciais. É importante destacar que esses elementos não são produzidos pelo próprio corpo — devendo ser adquiridos por meio de uma alimentação balanceada.

Sabemos, no entanto, que muitos pacientes têm dificuldade para adotar um estilo de vida que supra corretamente a necessidade dessas substâncias. É justamente aqui que o nutricionista entra com um papel importante: o de saber como prescrever vitaminas e minerais. Quer entender melhor sobre o tema? Então continue conosco e confira!

Entenda o histórico do paciente

Você recebeu em seu consultório um paciente que afirma não comer alimentos saudáveis e que tem o desejo de mudar essa situação. Antes de pensar logo de cara na suplementação, é fundamental analisar o histórico daquela pessoa para entender quais são as suas principais necessidades.

Quando o organismo apresenta deficiência de algum nutriente, na maioria das vezes, ele dá sinais claros disso. Observe, então, se o paciente se queixa de algum sintoma — como cansaço físico, imunidade baixa, queda de cabelo, unhas fracas etc. Assim, fica mais fácil entender de que maneira as vitaminas e minerais podem ser prescritos para resolver os problemas gerados pela carência nutricional. Para entender esses sintomas, você pode utilizar a “análise de sintomas” da anamnese, que dá um resultado preciso de necessidade de nutrientes de acordo com os sintomas do paciente.

Faça um diagnóstico adequado

Após a análise do histórico, cabe ao nutricionista utilizar outras ferramentas importantes para garantir um diagnóstico nutricional mais preciso. Sendo assim, faça também uma avaliação antropométrica — peso, altura, circunferências, percentual de gordura — e obtenha com mais clareza uma relação dos alimentos consumidos pelo paciente em seu cotidiano.

Nesse momento, é também crucial informar a ele que a suplementação de vitaminas e minerais não é feita com o objetivo de substituir a alimentação saudável. Pelo contrário: quando os níveis dessas substâncias já estiverem regulados, será necessário mantê-los de forma natural, ou seja, comendo bem e adotando um estilo de vida equilibrado.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

Conheça as regulações para a prescrição de vitaminas e minerais

A prescrição de suplementos vitamínicos e minerais jamais deve ser feita por conta própria e é essencial que o nutricionista esclareça isso logo de cara para o paciente. Lembre-se de que, de acordo com o Conselho Regional de Nutrição, por meio da resolução CFN nº 390 de 2006, a prática só pode ser realizada quando indispensável para suprir necessidades específicas.

Não se esqueça, também, de que existem limites para esse tipo de prescrição. O nutricionista não pode prescrever:

  • suplementos que têm quantidades de nutrientes superiores aos níveis máximos recomendados;
  • produtos que não atendam às regulamentações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária quanto à produção e comercialização;
  • produtos que têm medicamentos em sua composição, isolados ou associados a nutrientes;
  • suplementos que usem via de administração diversa do sistema digestório.

Além disso, vale reforçar que toda prescrição de vitaminas e minerais deve conter:

  • nome do paciente;
  • esquema posológico (dose, horário e tempo de uso);
  • local e data;
  • carimbo (com número do CRN e inscrição);
  • meios de contato profissional.

Por fim, é também interessante citar que todas as regras da suplementação também valem para os micronutrientes: importantes para o organismo mesmo que em pequenas quantidades (aqui, estamos falando até mesmo de microgramas). Entre os mais comuns, podemos citar ferro, cálcio e zinco.

A carência de cálcio, por exemplo, pode acarretar problemas que vão desde o mau funcionamento dos sistemas imunológico e nervoso até alterações na pressão arterial. Quando essa deficiência não é identificada a tempo, o paciente corre riscos ainda mais graves de desenvolver fraquezas nos ossos, osteoporose e palpitações cardíacas — daí a importância de realizar um bom diagnóstico e prescrever a suplementação adequada.

Essas foram as principais informações que o nutricionista deve considerar antes de iniciar a suplementação. Saber como prescrever vitaminas e minerais de acordo com as necessidades de cada um, seguindo as regulamentações, garantirá mais segurança em seu trabalho, resultados positivos e, consequentemente, a confiança do paciente.

Gostou do tema do post? Então compartilhe agora mesmo o artigo em suas redes sociais e ajude os colegas de profissão a saber como prescrever vitaminas e minerais!

Deixe uma resposta