Conheça as 6 alergias alimentares mais comuns

A alergia alimentar é uma reação do nosso corpo quando ingerimos algum alimento que ele considere uma ameaça. Nesse processo, o sistema imunológico é ativado para combater o “perigo”, produzindo anticorpos do tipo IgE em quantidades excessivas.

O resultado é um processo inflamatório que causa os sintomas alérgicos — manifestados geralmente na pele, no sistema respiratório ou no aparelho gastrointestinal.

Neste artigo, vamos falar sobre as causas e sintomas das 6 alergias alimentares mais comuns. Acompanhe!

1. Leite

A alergia ao leite é provocada pela proteína chamada caseína. O problema é mais comum em crianças. A boa notícia é que esse desconforto costuma desaparecer ao longo dos anos.

Alimentos derivados — iogurte, queijo ou qualquer outro que contenha leite, como chocolate — podem provocar a alergia. Os sintomas mais comuns são: problemas digestivos, vômitos e urticárias.

É importante lembrar que alergia e intolerância ao leite são dois problemas diferentes. No segundo caso, o organismo do paciente não produz lactase, a enzima responsável pela digestão do açúcar do leite (lactose). Então, diferentemente do que acontece com as alergias alimentares, é possível fazer um tratamento para evitar os sintomas da doença.

2. Ovo

As proteínas responsáveis pela alergia ao ovo são a ovalbumina e a ovomucoide. Essas substâncias estão no ovo, mas também podem ser encontradas em diversos outros produtos alimentícios que levam ovo na composição, como doces e a gemada. Por isto é importante ficar atento aos rótulos antes de consumir qualquer produto.

Os sintomas mais comuns dessa alergia são: dor no estômago, vômitos, tosse e dificuldades para respirar.

3. Frutos do mar e crustáceos

São os alimentos que mais causam alergias em adultos, pois possuem muitas proteínas diferentes e que podem, juntas ou isoladamente, desencadear reações no organismo. Entre elas, a tropomiosina é considerada a principal responsável pelo problema.

Quem possui alergia confirmada a um dos alimentos desse grupo, como o camarão ou os mariscos, precisa ter cuidado ao consumir outros crustáceos semelhantes, pois a mesma proteína pode estar presente em todos.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

Os sintomas mais comuns são: urticária, conjuntivite alérgica, vômitos e inchaço dos lábios, língua ou rosto.

4. Amendoim

O amendoim é um alimento que possui muita proteína em sua composição e, por isso, causa muitas alergias. A cupina e a conglutinina são as principais responsáveis pelas reações alérgicas.

Uma curiosidade é que esse problema é mais comum nos EUA, já que o alimento é muito consumido por lá. Os sintomas mais comuns são: coceira e vermelhidão na pele, conjuntivite alérgica, dores abdominais e excesso de gases.

5. Trigo

Quando falamos de alergia ao trigo, é muito comum confundi-la com a doença celíaca, um problema que atinge algumas pessoas. No entanto, são dois casos diferentes.

A alergia ao alimento é caracterizada pela presença da proteína gliadina e o paciente alérgico não apresenta, necessariamente, problemas com o glúten. Já o portador de doença celíaca (celíaco) possui dificuldade para ingerir essa proteína.

Os sintomas mais comuns da alergia ao trigo são: coceira, inchaço na garganta e diarreia.

6. Peixe

A alergia ao peixe não é causada apenas pela presença de proteínas, mas também por algumas toxinas e parasitas que podem estar presentes no alimento, como a ciguatera e a anikasis.

A reação alérgica pode ocorrer com a ingestão do peixe e também por meio da manipulação e inalação dos vapores de cozimento. Os sintomas mais comuns são semelhantes aos apresentados pelos alérgicos a frutos do mar.

Em geral, o organismo humano pode apresentar comportamentos inesperados durante a vida e alimentos inofensivos para alguns podem representar um perigo para outros. Ficar atento aos sinais do corpo é uma maneira de identificar possíveis reações alérgicas.

Agora que você conferiu quais são as alergias alimentares mais comuns, veja como o nutricionista pode ajudar o paciente alérgico.

Deixe uma resposta