Descubra como calcular o risco cardiovascular

Oferecer caminhos para o paciente se manter sempre saudável é fundamental no segmento da Nutrição. Uma das formas de fazer isso é sendo capaz de entender o real quadro médico dessa pessoa e considerar ameaças como o risco cardiovascular. Afinal, é possível contribuir para prevenir esse problema com uma boa alimentação.

Estudos já foram capazes de apontar determinadas características e hábitos que contribuem para o surgimento de problemas cardiovasculares como AVC, infarto, arritmia cardíaca, doença arterial coronariana, pressão alta, entre várias outras.

No artigo a seguir, você conhecerá a definição por trás do risco cardiovascular e quais critérios são considerados nesse cálculo. Confira!

O que é risco cardiovascular e risco de Framingham?

A base do cálculo do risco cardiovascular se chama risco de Framingham. O nome vem de um estudo realizado nessa cidade, que fica no estado norte-americano de Massachusetts.

Foram selecionadas cerca de 5 mil pessoas para uma longa avaliação de forma periódica a fim de detectar a influência de uma série de fatores sobre o risco de desenvolvendo de problemas cardiovasculares. A partir daí, o cálculo do risco cardiovascular se tornou uma ciência mais exata, sendo possível chegar a um indicador aproximado ao levar em conta as características, hábitos e histórico médico de um paciente. 

Quais os critérios do risco cardiovascular?

Tendo em vista a importância do cálculo do risco cardiovascular, o próximo passo é aprender os critérios envolvidos nesse tipo de análise. Na conversa com o paciente, é importante conhecer muito bem os hábitos e histórico médico dele.

Conheça a seguir as principais variáveis que você deve levar em consideração ao fazer o cálculo do risco cardiovascular de um paciente.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

Hábitos do paciente

A rotina do paciente tem muita influência na saúde dele, então, parte da conversa deve envolver esse aspecto. Quando se trata de risco cardiovascular, ele se eleva quando o paciente tem o hábito de fumar, é sedentário e consume álcool em exagero.

Doenças pré-existentes

Se o paciente sofreu ou sofre de diabetes, hipertensão arterial, síndrome metabólica e obesidade, ficam calculados pontos em favor do risco cardiovascular.

Índices de colesterol

Quem tem níveis elevados de colesterol ruim (LDL) e níveis baixos de colesterol bom (HDL) também está com risco cardiovascular elevado, então esses indicadores precisam ser levados em conta em seu cálculo.

Relação cintura-quadril

Também chamada de RCQ, a relação cintura-quadril é um cálculo possível a partir dessas medidas para chegar ao risco cardiovascular de um paciente. Ele se baseia no fato de que esses problemas tendem a acontecer quando há maior concentração de gordura abdominal.

Para isso, basta dividir a medida da cintura pela do quadril. Se o resultado for maior do que 1, o risco cardiovascular é alto. Se ficar abaixo de 1, o risco é baixo.

Agora que você já sabe quais critérios devem ser levados em conta ao calcular o risco cardiovascular de um paciente, já pode começar a oferecer essa possibilidade em seus atendimentos. Afinal, a alimentação é um recurso fundamental para ajudar quem está com alto risco de desenvolver uma doença desse tipo.

Curtiu as informações deste post? Então compartilhe-o nas suas redes sociais!

Deixe uma resposta