Dieta hipocalórica: o que é e como fazer

Com o aumento da preocupação sobre estilo de vida saudável e emagrecimento, muitas pessoas acreditam que apostar em dietas hipocalóricas será a chave do sucesso. Primeiramente, é importante entendermos o que é uma dieta hipocalórica: ela nada mais é do que um modelo de alimentação baixo em calorias que normalmente não ultrapassa as 1.500 kcal.

Outro fato bem importante é que essa dieta pode ficar abaixo das necessidades mínimas do indivíduo, ou seja, ser menor do que a taxa metabólica basal – energia necessária para o funcionamento de todas nossas funções vitais, tornando-se um pouco perigosa se feita sem acompanhamento. 

A taxa metabólica basal e a dieta hipocalórica

Para entendermos um pouco melhor, a taxa metabólica basal de um indivíduo pode variar de acordo com sua idade, peso e altura. Este cálculo se baseia em equações matemáticas para chegar em tal resultado. Um homem de 70kg, 170cm de altura e 25 anos de idade possui TMB de 1.700 kcal aproximadamente. É importante ressaltar que este é um cálculo aproximado e pode depender bastante de qual equação você for escolher para tal cálculo. Neste exemplo foi utilizada a fórmula de Harris & Benedict (1919). 

Como dito anteriormente, as dietas hipocalóricas não costumam ultrapassar os gastos energéticos totais (quando consideramos no cálculo da TMB os exercícios físicos). Elas normalmente são utilizadas por curtos períodos de tempo como alguma estratégia específica para o paciente. Para isso, a escolha dos alimentos deve ser bem pensada, pois precisamos de alimentos de baixa densidade calórica e que trazem saciedade

Nestes casos, pode-se diminuir a quantidade de carboidratos e gorduras no planejamento e, quando inseridos, optar pelos cereais integrais ou vegetais e leguminosas. No caso das gorduras, as monoinsaturadas seriam as melhores opções.  As frutas também devem ser menos calóricas, por isso as melhores opções são aquelas que têm maior teor de água como melancia, melão, maçã e morangos por exemplo. Ainda podem ser incluídas algumas frutas como coco e abacate, que contém maior teor de gorduras (para auxiliar no aumento da saciedade). Além disso, a dieta deve ser bem equilibrada em proteínas e gorduras, afinal, precisa ser também nutritiva e evitar que o paciente perca muita massa muscular.

Cuidados com essa dieta

Como toda alimentação mais restritiva, a dieta hipocalórica precisa ser feita com cautela. Muitas pessoas podem tentar iniciá-la sem um acompanhamento e isso pode ser um grande erro. É importante ir adaptando nosso organismo a quantidades menores de energia para que ele sofra menos frente às adaptações tão bruscas. Alguns sintomas comuns são fraqueza, falta de energia, perda de concentração, irritabilidade e dores de cabeça. A compulsão por doces também pode aparecer, visto que ao diminuir bruscamente a ingestão calórica, o corpo pede por alimentos mais densos em calorias. 

Dessa forma, é imprescindível o acompanhamento nutricional para que essa estratégia seja feita de maneira segura e adequada. A busca de nutricionistas do Dietbox permite que você encontre o profissional certo para você, de acordo com a sua cidade e especialidade desejada. Você ainda pode optar pelo atendimento remoto, facilitando a conexão sem precisar sair de casa. Com o auxílio de um profissional, você estará sempre seguro com seus objetivos traçados!

Cadastre-se Grátis no Dietbox

Deixe uma resposta