Dieta LOW FODMAPS para melhora da síndrome do intestino irritável (SII)

A maior parte da população mundial sofre com problemas gastrointestinais (GI) como flatulência excessiva, inchaço abdominal, diarreia, constipação ou síndrome do intestino irritável (SII), situações que frequentemente estão relacionadas com a má digestão de alimentos.

Fodmap é o conjunto de alimentos fermentáveis que são mal absorvidos pelo nosso organismo e que podem causar desconforto intestinal – Eles são classificados como oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis. Os alimentos fermentáveis referidos são os carboidratos não digeridos pelo trato digestivo humano. Assim, esta alta osmolaridade e a formação de gases pela microbiota intestinal acabam por desencadear os referidos sintomas.

Tipos de FODMAPS e onde se encontram

  • Monossacarídeos (frutose): Xarope de milho, mel, néctar de agave, maçã, pera, manga, aspargos, cereja, melancia, sucos de fruta, ervilha.
  • Dissacarídeos (lactose): Leite de vaca, leite de cabra, leite de ovelha, soverte, iogurte, nata, creme, queijo ricota e cottage.
  • Oligossacarídeos (fructans): Cebola, alho, alho-poró, trigo, cuscuz, farinha, massa, centeio, caqui, melancia, chicória, dente-de-leão, alcachofra, beterraba, aspargos, cenoura vermelha, quiabo, chicória com folhas vermelhas, couve
  • Oligossacarídeos (GOS): Lentilhas que não foram enlatadas, grãos de bico que não foram enlatados, grãos enlatados, feijão, ervilha, grãos integrais de soja.
  • Polióis: Xilitol, manitol, sorbitol, glicerina, maçã, damasco, pêssego, nectarina, pera, ameixa, cereja, abacate, amora, lichia, couve-flor, cogumelos.

A dieta Low Fodmaps é, hoje, aceita como efetiva no manejo dos sintomas da SII e deve ser a primeira opção para os pacientes. Ela melhora os sintomas em pelo menos 74% deles, como mostram vários artigos científicos atuais.

A restrição de alimentos com alto teor de Fodmaps é benéfica para a saúde do intestino, mas diminui a oferta de fibras, e isso pode piorar a constipação de pacientes com SII. A solução é escolher opções que tenham mais fibras entre aquelas que têm menos Fodmaps. Mudanças dietéticas afetam a microbiota intestinal. Pode ser, no entanto, que a dieta Low Fodmaps não tenha impacto negativo a longo prazo. Por isso, terapias complementares como a suplementação de probióticos devem ser consideradas para pessoas que seguem a Low Fodmaps por longos períodos.

 

Nutricionista Ana Clara Bertoletti

CRN² 14350D

Instagram: @nutrianaclarab

Facebook: Nutricionista Ana Clara Bertoletti

Email: annaclara_b@hotmail.com

 

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Leave a Reply