Entenda como fazer o cálculo do plano alimentar dos seus pacientes

Após uma avaliação nutricional do paciente, é hora de começar o cálculo do plano alimentar que ele deverá seguir. Esse plano deverá visar a todas as necessidades, à rotina, ao trabalho e à disponibilidade do cliente, buscando sempre melhorar não somente a sua alimentação, mas também seu bem-estar.

Para auxiliá-lo nessa tarefa, separamos algumas dicas de como montar um plano alimentar e como otimizar seu trabalho na hora de realizar o cálculo. Acompanhe a leitura!

A avaliação nutricional

A avaliação nutricional é um passo fundamental que identifica os pacientes sob riscos nutricionais por meio de histórico médico, dados bioquímicos, antropometria e avaliação clínica. Com essa investigação, será possível verificar se há relação entre alguma doença e o estado nutricional do cliente.

Após essa etapa, será possível montar um plano alimentar adequado de acordo com as necessidades do indivíduo. Outros pontos a serem analisados são:

  • história dietética anterior ou possíveis modificações realizadas;
  • capacidade física de ingestão de alimentos;
  • intolerâncias alimentares;
  • mudanças de peso recentes;
  • presença de transtornos alimentares;
  • constipação intestinal.

O cálculo do plano alimentar

Após analisar o paciente, é hora de calcular o plano alimentar com base nas informações obtidas sobre sua saúde, rotina, hábitos etc. O objetivo desse cálculo é produzir um balanço negativo de energia que reduza o peso.

Quando o cálculo não é feito corretamente, ou, então, nem mesmo é feito, surgem as alimentações desequilibradas que não trazem resultados para o paciente, já que cada indivíduo apresenta uma necessidade diferente do outro.

Podemos citar como exemplo de planos alimentares que não têm resultados comprovados o de poucas calorias, que apresenta modificações no valor de macronutrientes muito marcantes, o que também pode resultar em alterações no estado de micronutrientes.

Ele enfatiza um grupo em particular de algum dos nutrientes — carboidrato, proteína e gordura — e exclui a sua ingestão. Embora esse tipo de alimentação possa ser seguida facilmente pelas pessoas devido à natureza do ser humano de focar em algo, o tempo que o indivíduo se mantém curioso é limitado, e a desarmonia nos hábitos e costumes contribui para a desistência do plano, independentemente do resultado inicial.

A otimização do cálculo do plano alimentar

Como visto, para calcular o plano alimentar do seu cliente, é preciso ter tempo e paciência para que o trabalho saia de forma correta. Porém, considerando o número grande de pacientes que um nutricionista atende diariamente, essa tarefa pode tornar-se cansativa e tomar muito mais tempo do que você imagina.

Para ajudá-lo, existem, hoje, softwares que otimizam esse trabalho e fazem o cálculo do plano alimentar efetivamente. Dessa forma, sobra tempo para pensar melhor na estratégia do plano alimentar individual e você pode entregá-lo muito mais rápido.

Viu como é fácil e por que é importante fazer o cálculo do plano alimentar? Seguindo nossas dicas, você verá grandes resultados e progressos na alimentação dos seus clientes.

Agora que você já sabe como preparar uma boa estratégia para montar um plano alimentar eficiente, o que acha de otimizar seu trabalho com um software que pode auxiliá-lo nessa tarefa? Conheça o Dietbox! Vamos lá!

Leave a Reply