Estado nutricional de ferro e anemia em crianças vegetarianas

Os estudos científicos apontam que crianças vegetarianas ingerem maior quantidade de ferro, porém em sua forma não heme, menos absorvível. É necessário aderir a práticas alimentares que diminuam o teor de fatores antinutricionais dos alimentos como a “remolho” do feijão, e acrescentar fontes alimentares de vitamina C nas refeições principais para que o ferro seja melhor absorvido.

Suplementação de ferro para crianças vegetarianas

As ingestões dietéticas recomendadas (RDA) para o ferro na infância  são de 11mg para crianças de até 12 meses, 7mg na faixa de 1 a 3 anos e 10mg para crianças de 4 a 08 anos, com níveis de ingestão máxima tolerada de até 40mg.

Sendo o ferro um micronutriente fundamental para o desenvolvimento infantil, sua deficiência está relacionada à anemia que é considerada mundialmente a carência de maior importância e elevada prevalência em crianças, principalmente menores de dois anos de idade. Estima-se que 39% das crianças menores de 05 anos e 48% das crianças entre 5-14 anos de idade, estejam anêmicas.

Esses dados referem-se às crianças onívoras que são a maioria na população mundial.

Mas e as crianças vegetarianas?

Estudos mostram que as crianças vegetarianas apresentam nos exames menor valor (porém dentro da normalidade) de hemoglobina e ferro sanguíneo e não estão mais anêmicas comparadas com as crianças onívoras.

Ou seja, a criança vegetariana não tem maior chance de ter anemia do que a criança onívora. Todas as crianças estão sujeitas a esse quadro devido a grande demanda de ferro durante a infância.

A recomendação da Organização Mundial da Sáude, Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de pediatria é que as crianças sejam suplementadas com ferro a partir do sexto mês para evitar a anemia.

Isso vale tanto para TODAS as crianças vegetarianas ou não!

Portanto é importante seguir as recomendações:

-Amamentação o máximo possível pois o ferro presente no leite materno e mais biodisponível , ou seja, é melhor absorvido;

-Suplementação após 6 meses de idade;

-Inclua alimentos fontes de ferro na alimentação após 6 meses de idade;

-Inclua uma fonte de vitaminas C na refeição rica em ferro para melhorar a absorção de ferro;

-Deixe sempre as leguminosas de molho em água por no mínimo 8 horas.

Melhores fontes de ferro para bebes e crianças vegetarianas

A melhor fonte de ferro para as crianças é o leite materno. Aderir a práticas que favoreçam a manutenção da amamentação são muito importantes.

Mas vamos falar também das fontes alimentares que devem ser incluídas após os 6 meses de idade.

Vejo muita gente oferecendo grande volume de alimentos como brócolis e até mesmo o espinafre. Temos que lembrar que o estomago do bebê/criança é pequeno por isso é mais prudente oferecer alimentos com maior concentração de ferro em pouco volume.

Como melhorar a absorção de ferro

E vamos para mais uma dica sobre o ferro.

O ferro presente nos alimentos vegetais é o não heme e possui menor porcentagem de absorção comparado com o ferro heme presente nas carnes. Porém os alimentos vegetais possuem maior teor de ferro, no final o valor absorvido em ambos os casos é muito parecido.

Mas vamos às dicas para melhorar a absorção do ferro presente nos alimentos vegetais:

  • Deixe sempre o feijão de molho, diminuindo a presença de fitatos e tornando os nutrientes mais facilmente absorvidos;
  • Inclua nas refeições principais alimentos ricos em ferro como citei na postagem anterior;
  • Inclua como sobremesa alimentos ricos em vitamina C como a laranja, mexerica e a goiaba;
  • Para os ovolactos evite incluir nas refeições mais ricas em ferro o leite e seus derivados que possuem alto teor de cálcio atrapalhando a absorção.

 

Dicas simples que podem melhorar a absorção de ferro do dia a dia, tantos para os pequeninos quanto para os adultos.

 

Aline Vieira
Nutricionista
Pós Graduada em Nutrição Materno Infantil
Atendimento para vegetarianos e veganos

 

Referências

SHILS, M. E., OLSON, J. A., SHIKE, M. ROSS, A. C. Tratado de Nutrição Moderna na Saúde e na Doença, São Paulo: Manole, 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Avaliação Nutricional da Criança e adolescente. Manual de orientação. São Paulo: Departamento de Nutrologia,2009.

WORL HEALTH ORGANIZATION/UNICEF/UNITED NATIONS UNIVERSITY. Iron Deficiency Anemia: Assessment, Prevention, and Control. Geneva: World Health

ACADEMY OF NUTRITION AND DIETETICS. Vegetarian Diets.  Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, v.116, n.12, p.1970-1980, 2016.

AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION; DIETITIANS OF CANADA. Position of the American

Dietetic Association and Dietitians of Canada: Vegetarian diets. J Am Diet Assoc, v.103, n.6, p.748-765, 2003.

LASKOWSKA-KLITA T, CHEŁCHOWSKA M, AMBROSZKIEWICZ J, GAJEWSKA J, KLEMARCZYK W.  The effect of vegetarian diet on selected essential nutrients in children. Med Wieku Rozwoj, v;15, n.3, p.318-325, 2011.

AMBROSZKIEWICZ J, KLEMARCZYK W, MAZUR J, GAJEWSKA J, ROWICKA G, STRUCIŃSKA M, CHEŁCHOWSKA M. Serum Hepcidin and Soluble Transferrin Receptor in the Assessment of Iron Metabolism in Children on a Vegetarian Diet. Biol Trace Elem Res, v.10, 2017.

YEN CE, YEN CH, HUANG MC, CHENG CH, HUANG YC. Dietary intake and nutricional status of vegetarian and amnivorous preschool children and their parents in Taiwan. Nutr Res, v.28, p.430-436, 2008.

GORCZYCA D, PRESCHA A, SZEREMETA K, JANKOWSKI A. Iron status and dietary iron intake of vegetarian children from Poland. Ann Nutr Metab, v.62, n.4, p.291-297, 2013.

SLYWITCH, ERIC. Alimentação sem carne: guia prático. São Paulo: Editora Alaúde. 2016.

Deixe uma resposta