Má Nutrição é osso

Em se tratando da saúde óssea,  em virtude  a gama de nutrientes envolvidos neste processo, a manutenção de uma  dieta saudável  e  que possa   garantir a ingestão adequada  desses  nutrientes essenciais e indispensáveis  à manutenção da saúde óssea,  parece ser o caminho mais promissor .

Sobre o impacto dos nutrientes na saúde óssea, o papel de alguns desses nutrientes encontra-se bastante fundamentado na literatura pertinente e também estão dentre os mais  conhecidos, como sendo essenciais para a estrutura e o metabolismo ósseo, sendo eles:   o cálcio, o fosfato e a vitamina D.   Porém , além destes,  outros importantes nutrientes  estão também envolvidos nesta tarefa de desenvolvimento e   manutenção dos ossos.

  • Proteínas: a baixa ingestão de proteínas pode afetar de forma negativa o turnover (a reabsorção de osso velho e a formação de osso novo) e consequentemente o desenvolvimento ósseo. Por outro lado, altas ingestões proteicas, sobretudo de fontes animais, especialmente quando acompanhadas de baixas ingestões de cálcio, aceleram a perda óssea adulta. Sendo assim, não apenas a falta, mas também o excesso de proteínas poderá comprometer a saúde óssea..
  • Magnésio: a sua deficiência pode afetar a qualidade do osso, ao comprometer a formação óssea.
  • Oligoelementos: poucos estudos estão disponíveis sobre os efeitos dos oligoelementos sobre a saúde dos ossos. Um estudo investigou durante um ano o efeito da suplementação de cobre, flúor, manganês e zinco, juntamente com o cálcio.  Os resultados  apontaram para uma menor perda de densidade mineral óssea lombar, em comparação com outro grupo que recebeu suplementação somente de cálcio.
  • Boro: sua ausência prejudicaria a formação óssea, pois o boro é usado na conversão do estrogênio para sua forma ativa. O estrogênio (hormônio feminino) está envolvido no metabolismo ósseo.
  • Vitamina K: Estudos sugerem que a deficiência de vitamina K, pode contribuir para a redução da densidade mineral óssea, elevando os riscos de osteoporose e consequentemente fraturas osteoporóticas. As formas naturais de vitamina K, tais como a K1 (fitoquinona e a K2 (menaquinona), são consideradas protetoras contra a incidência de osteoporose. Alguns estudos epidemiológicos evidenciaram a ingestão da fitoquinona, estando associada a um menor risco de fratura de quadril.

As utilizações de suplementos vitamínicos e minerais devem ser aconselhadas e supervisionadas por um nutricionista!

Rayane Moraes

Nutricionista – CRN9 21474/P

Pós-graduanda em Nutrição Clínica e Esportiva

Contato: (31) 99316-3861 (TIM/WhatsApp)

E-mail: nutrirayanemoraes@hotmail.com

Instagram: @nutrirayanemoraes

Facebook: facebook.com/nutrirayanemoraes

Consultório: Rua Coronel Fulgêncio, 414 – 5. São Lucas. Belo Horizonte/MG.

 

Referência:

AHAN, L. K., ESCOTT-STUMP, S. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MCARDLE, W. D.; KATCH, F. I. Nutrição para o desporto e o exercício.  3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

 

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Deixe uma resposta