Vitaminas, minerais e idosos

Todos já estão cansados de ouvir sobre vitaminas e minerais, é bem comum a mãe dizer a criança “ Coma isto que tem muitas vitaminas!”.

Mas, qual será a função destes micronutrientes?

Hoje vamos falar sobre isso, já se perguntou como os líquidos permanecem dentro do corpo humano ou como se formam os ácidos gástricos. Podemos dizer que vitaminas e minerais regulam todas as reações do organismo.

Organizam o sistema imunológico, o apetite, o sono, a renovação das células, o sistema reprodutivo, a qualidade da pele, cabelos e unhas. A disposição, os neurotransmissores como dopamina e serotonina.  Fazem parte das enzimas, do transporte do oxigênio e água para as células, a água fica só fica presa dentro das das células devido aos íons de sódio e potássio, ou seja sem eles ficamos desidratados.

As vitaminas e minerais são micronutrientes químicos e essenciais aos organismos vivos, sejam esses organismos de origem vegetal ou animal.

Quando usa-se o termo alimentação balanceada é destes micronutrientes que também estamos falando, ou mesmo o termo calorias “vazias”, refere-se ao consumo de alimentos de baixo valor nutricional, porém que podem ser calóricos.

As melhores fontes desses micronutrientes são alimentos de verdade, sabe aqueles minimamente processados como o feijão, arroz, raízes, frutas, verduras, castanhas, carnes, ovos e leite e seus derivados.

Para se ter uma idéia da grande importância dos pequenos nutrientes as políticas de saúde pública no Brasil obrigam que o sal de cozinha seja enriquecido com iodo, para controle de doenças relacionadas a glândula da tireoide, e que as farinhas de trigo sejam fortificadas com ferro e ácido fólico para minimizar os casos de anemia ferropriva e megaloblástica.

Com o aumento da expectativa de vida em nosso país a população idosa está cada vez mais crescente, e é comum a má alimentação de grande parte desses idosos.

Os filhos cresceram, saíram de casa, e a mãe torna-se avó, o pai avô, e aquela obrigação de produzir refeições saudáveis diariamente por conta dos filhos vai diminuindo cada vez mais, colaborando para que o idoso compre alimentos fáceis, processados e de baixo valor nutricional.

Outros fatores que também colaboram para deficiências nutricionais  são o uso de muitos medicamentos, que podem prejudicar absorção ou acelerar a excreção dos minerais.

A deficiência deixa o idoso vulnerável, com o sistema imunológico fragilizado e suscetível a infecções. Além de reduzir drasticamente a qualidade de vida, já que esses micronutrientes são responsáveis por regular tudo no organismo.

Mas, antes de qualquer suplementação o ideal é adequar a alimentação, procurar um nutricionista  para acompanhamento, para que seja analisada a necessidade da suplementação e qual mineral ou vitamina que realmente precisa ser suplementado.

No caso da necessidade de se tomar medicação é importante conversar

com o médico responsável sobre os efeitos colaterais da medicação.

Existem alguns elementos que são essenciais a saúde que podem ser suplementados, sem contra indicações, como por exemplo os ácidos graxos ômega 3, 6 e 9,  os ácidos alfa-linolênico,  eicosapentaenoico e o  docosa-hexaenoico, são ácidos carboxílicos poli-insaturados, que possuem efeito antioxidante, antienvelhecimento, modula o sistema imunológico, auxiliam na regeneração das bainhas de mielina dos neurotransmissores. Causam efeitos positivos melhorando a saúde cardiovascular, aumentam o HDL (colesterol “bom”), e reduzem o LDL (colesterol “ruim”).

Outro nutracêutico a ser suplementando sem contra indicações, desde que não ultrapasse a dose de 10g diárias é o colágeno hidrolisado, ele irá fornecer nutrientes para a reparação celular dos tecidos, podendo melhorar a qualidade das articulações, pele, cabelos e unhas.

Em todas as fases da vida fazer um acompanhamento nutricional é imprescindível, pois direciona os pacientes para os alimentos adequados a sua saúde, principalmente na terceira idade onde algumas necessidades especiais já se instalaram.

Referências: Cozzolino.  Biodisponibilidade de Nutrientes. 3 edição.2009

 

Karina Bantin

Nutricionista

Deixe uma resposta