Creatina na Nutrição

A creatina (ácido acético metilguanidina) é uma amina nitrogenada formada endogenamente (no fígado, rins e pâncreas) ou fornecida ao organismo através da dieta. A necessidade diária de cretina é cerca de 3g, sendo que cerca de 1g é obtido pela dieta e o restante é sintetizado endogenamente. A maior parte da creatina (95%) se encontra no músculo esquelético e o restante está distribuído pelo coração, cérebro e testículos.

A creatina mono-hidratada é um dos suplementos nutricionais mais utilizados pelos atletas, principalmente para aumento de performance em exercícios de alta intensidade e curta duração. Através da suplementação de creatina, há uma elevação do estoque de Pcr (fosfocreatina) intramuscular, facilitando a ressíntese imediata de ATP e, consequentemente, o aumento do desempenho. Contudo, hoje sabe-se que a suplementação de creatina também pode melhorar a capacidade muscular de manter o equilíbrio energético durante exercícios de alta duração, além de auxiliar no ganho de massa corporal magra durante o treinamento resistido. Além disso, existem evidências que a suplementação com creatina pode aumentar a força e potência de indivíduos com doenças neuromusculares, por aumentar o conteúdo total muscular.

Muito estudada e utilizada desde 1990, a creatina é um suplemento seguro para uso na nutrição esportiva e na prevenção e tratamento de distúrbios neuromusculares, neurológicos, prevenção de traumas e tratamentos cardiovasculares. O protocolo de administração e a dose recomendada devem ser avaliados individualmente pelo profissional nutricionista.

 

Fonte: PASCHOAL A., NAVES A. Tratado de Nutrição Esportiva Funcional. São Paulo: Roca, 2014.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

 

Nutricionista Carolina Araripe

CRN-6: 25034

Instagram: @carol.nutriveg

 

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Deixe uma resposta