Alimentação no combate ao corona vírus

Na medida em que o número de infectados pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2 aumenta, se expande também a quantidade de pessoas preocupadas em cuidar da sua saúde. Neste cenário, aliás, a alimentação é de fundamental importância para garantir um sistema de defesa fortalecido neste momento de tanta vulnerabilidade mental, social e física. Infelizmente, cada vez mais o número de fake news (notícias falsas) sobre alimentação espalhadas principalmente nas redes sociais é crescente. O que gera mais estresse e confusão na hora de se alimentar. Mas qual a relação entre alimentação e corona vírus?

O único alimento milagroso

Até o momento, em suma, o único alimento que é completo e que supre todas as nossas necessidades é o leite materno, até os 6 meses de idade. Com exceção deste, não existe nenhum alimento milagroso que, por si só, vai suprir todas as nossas necessidades. Muito menos combater o novo corona vírus. Até existem alguns nutrientes que atuam diretamente no sistema de defesa do nosso corpo, como pré e pro bióticos, proteínas, zinco, magnésio, selênio, vitaminas A, C e E. No entanto, estes são como a cereja de um bolo. Fazem a diferença, mas de nada adianta consumi-los se não tivermos a base de uma alimentação saudável.

Quercetina: a hidroxicloroquina dos alimentos

Um estudo recente mostrou mais um possível nutriente que pode atuar diretamente na imunidade: a quercetina. A hipótese é que essa substância poderia inibir a adesão do SARS-CoV-2 às proteínas do nosso corpo. Como, por exemplo, a ECA-2- enzima conversora de angiotensina 2 e a CD26- ambas curiosamente associadas à senescência. Esta possível hidroxicloroquina é encontrada em vários alimentos. Entre eles, brócolis, repolho, maçã, cebola (com maior concentração na cebola roxa e ainda nos anéis mais externos e nos próximos à raiz), tomate (maior concentração no orgânico), uvas, nozes, mel, chá verde e chá preto.

Este estudo foi feito em um supercomputador. Portanto, ainda são necessários ensaios clínicos para testar experimentalmente essa hipótese. Mas, de qualquer forma, vale a pena incluir estes alimentos em nosso cardápio por serem naturais e por que carregarem muitas outras vitaminas para a nossa saúde. 

Por fim, além de todos estes nutrientes essenciais, beber no mínimo dois litros de água por dia, prestar atenção e respeitar os sinais internos e sábios de fome e saciedade (Intuitive eating), lidar com as emoções sem usar a comida e comer com atenção plena (Mindful eating) com certeza são ingredientes para uma receita de sucesso.

Além da alimentação e corona vírus, se você quer mais dicas, pode conferir nosso post sobre alimentos anti-inflamatórios clicando aqui.

Nome Nutricionista: Patrícia Ito

CRN 343825

Facebook: Nutrindo Mentes – Nutricionista Patrícia Ito

Instagram: @nutrindo_mentes

Site: https://patriciaesonia.wixsite.com/psiconutricional

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Referências utilizadas:
YAO LI et al. Review: Quercetin, Inflammation and Immunity; Nutrients, n. 3, p. 167- 181 março, 2016.

SARGIACOMO, C., SOTGIA, F.,LISANTI, M. COVID-19 and chronological aging: senolytics and other anti-aging drogs for the treatment or prevention of corona vírus infection? Aging, v. 12, n. 8, 2020.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

Deixe uma resposta