Proteína e doença renal crônica

No meu texto anterior no blog, dei um panorama geral da doença renal crônica e suas complicações pelo aumento do fósforo no sangue, com a orientação de evitar consumo de alimentos ultra processados.  

Falando agora sobre a redução de ingestão proteica no tratamento conservador, uma das alternativas terapêuticas é o manejo dietético utilizando a Cetodieta (não confundir com dieta cetogênica).

A redução na ingestão de proteína visa evitar acúmulo excessivo de ureia e creatinina no sangue. Isso porque o rim não consegue eliminar pela urina. Sendo comum o estado de acidose metabólica (uremia) e a perda acentuada de massa muscular (catabolismo), a restrição proteica mais rígida precisa, necessariamente, ser suplementada.

Cetodieta e doença renal crônica

CETODIETA: oferta restrita de proteína (dieta hipoprotéica – 0,3 a 0,4g/kg/dia) suplementada com uma mistura de aminoácidos contendo cetoácidos ou cetoanálogos (aminoácidos sem o grupo amina). O uso destes compostos tendem a melhorar os sintomas urêmicos, as alterações metabólicas, corrigir a proteinúria, ao mesmo tempo que promove manutenção de estado nutricional adequado. Por já possuir um conteúdo de cálcio, contribui para aporte deste mineral, mas se deve atentar para evitar quadros de hipercalcemia.

O nutricionista, além de planejar o cardápio e acompanhar a ingestão alimentar desse paciente, poderá solicitar exames de sangue e de urina de 24 horas com dosagem de ureia para cálculo do aparecimento de nitrogênio urinário. Além disso, fazer a estimativa da ingestão proteica do paciente, para avaliar o estado metabólico (anabolismo, catabolismo ou balanço neutro). E se ele está conseguindo seguir o planejado.

No paciente renal em tratamento dialítico, a ingestão proteica é maior que no tratamento conservador e visa repor as perdas proteicas e de aminoácidos no dialisato (solução de diálise). Assim, prevenindo a perda progressiva de massa, força e/ou função dos músculos (sarcopenia). Se o paciente não se alimenta bem, associado a um quadro de hipocloridria ou disbiose, o aporte de aminoácidos essenciais por via suplementar deve ser considerado. 

Tatiana Martins Aniteli

CRN-3: 22.758

Doutora em Nefrologia pela FMUSP

Nutricionista clínica e esportiva

https://www.facebook.com/RenalNutre/

instagram: @nutrianiteli

Curso EAD: http://www.cetodieta.com.br

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Cadastre-se Grátis no DietboxPowered by Rock Convert

Deixe uma resposta